Controlando Relâmpagos com Laser

 

relâmpagos como arma laser







Os cientistas doidos continuam a brincar de deus, e certamente os militares vão querer criar uma arma com esta nova invenção.

Na década de 90 lasers foram desenvolvidos para gerar terawatts de potência por femtossegundos (milionésimos de bilionésimos de segundo) com essa intenção. Isso criou pulsos tão intensos que arrancaram electrões das moléculas de ar, formando canais de ar ionizado ao longo do caminho do feixe. Esses caminhos focalizavam a luz do laser em zonas de alta intensidade chamadas de filamentos, que mantinham o ar ionizado por muito tempo após a passagem do laser, mas não conseguiam direccionar os relâmpagos.

Em 2008, um grupo liderado por André Mysyrowicz do laboratório de óptica aplicada da ENSTA ParisTech (na França) levou um laser do tamanho de um reboque para o Novo México para experiências com nuvens. O grupo descobriu que os seus filamentos de laser aumentaram a actividade eléctrica em nuvens de tempestade, mas não causaram relâmpagos.

Contudo, recentemente, o grupo atingiu dois marcos no caminho para a aplicação prática com raios com um laser mais compacto. Numa experiência num laboratório militar em Toulouse, França, criaram uma descarga de alta tensão com dois alvos possíveis a cerca de 2,5 metros de distância. Com o laser desligado, o relâmpago artificial atingiu sempre o alvo mais próximo. Mas com o laser ligado, gerando um caminho de filamento para o alvo mais distante, a descarga foi para onde foi direcionada.

Numa segunda experiência, a equipa de Mysyrowicz mirou o feixe de laser a 50 metros de um laboratório, passando de 5 a 20 centímetros de um electrodo produtor de raios e um electrodo de carga oposta. Normalmente, o relâmpago salta directo de electrodo para o outro, mas com o laser ligado, a descarga salta para o filamento do laser e segue-o antes de saltar para o segundo electrodo (AIP Advances , DOI: 10.1063 / 1.3690961 ).

 

Controlar o relâmpago sem fazer contacto com os electrodos torna isso mais parecido com uma situação do mundo real, diz Jérôme Kasparian, da Universidade de Genebra, na Suíça.

“Nas nuvens, você realmente não tem um electrodo que possa tocar”, disse.  

“Mas no mundo real, acrescentou, os alvos são muito mais distantes.”

O grupo de Mysyrowicz está planeando mais experiências de campo com o laser. Kasparian acredita que o sucesso exigirá um laser mais poderoso e o desenvolvimento de pulsos moldados com precisão para guiar os raios pelo ar.

 

Fonte: New Scientist

Share on Google Plus

About R.O

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Publicar um comentário